terça-feira, 12 de julho de 2016

RJ - Paraty 1º dia 02/12/2015

Acordamos às 8:00, banho e Café!

Descemos para um salão acoplado a uma pequena cozinha, cheio de mesas com cadeiras tudo bem organizado e limpo, um balcão servia um café da manhã farto: café, Leite, Danone, cereal, pães, frios (queijo e presunto) salsicha no molho, bolos, frutas, sucos, uma cristaleira com louças e talheres em que você mesmo pega o que precisa (achei muito simpático faz parecer que está em casa), o atendimento super dedicado, educado e muito amigável da senhora Fernanda, nos falou da cidade, dos passeios, da escuna, do Jeep, da chuva que não para, comemos muito e fomos para o quarto arrumamos nossas coisas no carro,
Praia do Jabaquara
Seguimos até a areia da praia de Jabaquara, estacionamos próximo aos quiosques e andamos de ponta a ponta na praia, tempo nublado, calor, vimos quiosques, praças de ginástica, aluguel de pranchas, areia cheio de conchinhas, água límpida, o encontro do mar com  o rio, com área de Mangue e caranguejos. 



Dois caranguejos enormes correram atrás da Kelly.
Pegamos o carro e seguimos sentido centro histórico estacionamos de frente à área hospitalar, do lado de fora do bolsão de estacionamento da prefeitura que cobra r$ 15,00. 
Andamos pela praia Pontal, encontramos barcos que fazem o passeio que passam por Ilhas e outras praias sentido mar. Conversamos com Barqueiro, chamado Zulu, que nos garantiu passeio maravilhoso por R$ 200,00 para nós duas e R$ 350,00 para até 6 pessoas com almoço por R$ 70,00 para duas em uma das paradas na praia; Não fizemos, continuamos a bater perna. 



Andamos por toda a extensão de pedras o píer, passo-a-passo sentido mar, conseguimos seguir até a ponta, Visão deslumbrante. 

Voltamos para a praia do Pontal, areia grossa, mar límpido, quiosques, aluguel de pranchas praça de ginástica, encontramos um camping do CCB (camping Clube Brasil), instalações precárias, sanitários, chuveiros, pias, pontos de luz, muitas barracas fixas, taxa de R$ 60,00/dia e restaurante com comida a quilo por R$ 33,00 


Retornamos para o carro e lanchamos:  Pão com  Salsicha em lata,  refrigerante e maçã

Caminhada pelo centro Histórico 

Atravessamos a ponte sobre o rio Perequê-Açu (transito de veículos que saem do centro histórico e pedestre acesso livre)

Centro Histórico preservado nas arquiteturas das casas maçônicas  ruas de pedra, a cidade foi construida 2 metros abaixo do nível do mar para dificultar  as possíveis invasões, obrigava as  embarcações atracarem afastadas da cidade;











Atualmente as construções antigas (Patrimônio Histórico) abrigam loja de suvenires, restaurantes, centro de informação ao turista, pousadas, Hostel, fórum, Detran, Marinha do Brasil, vimos uma escola ,bem próximo ao centro histórico porém numa construção nova,  as 4 igrejas também estão no centro histórico.

À tarde podemos encontrar, em cada esquina, carrinhos de doces (deliciosos e inesquecíveis).

Caminhamos por todas as ruas do centro histórico, passamos pelo cais onde os barqueiros oferecem passeios o tempo todo, saímos do centro históricos e seguimos para parte comercial da cidade, policiamento não falta, teve Polícia Militar (bem armados), guarda municipal (desarmados) segurança patrimonial (vigias) andamos para conhecer tudo. 

Encontramos várias agências de turismo e preços variados para o mesmo passeio. O passeio de escuna  tem duração de 5h passando por Praia Vermelha, da Lula, Ilhas comprida e Lagoa Azul.

O passeio de jipe tem duração de 4h passando pelo orquidário, dois alambiques e Três Cachoeiras (dos Ingleses, do Tarzan e tobogã) a maioria dos preços era:

*Escuna entre R$ 30 e R$ 50 por pessoa.

*Jeep entre R$50 e R$80 por pessoa.

Depois de muito andar compramos o passeio na agência ecoturismo onde tivemos o atendimento Relâmpago do Marcos que falava rápido e ligeiro sobre todos os passeios preços e horários. 
Conseguimos fechar a R$ 50 por pessoa os dois passeios 
Combinamos o passeio de escuna para o dia seguinte às 11:00 no cais embarcação Rei Felipe I. E o de  Jeep dia 4 de dezembro às 8:00 saída da própria agência.

Vimos todos centro comercial, lojas, bancos, padaria, Subway, Lojas Americanas, e um posto de gasolina,  R$ 4,04 o litro (assustou!!! e era o posto mais barato!!!) Deixe para abastecer em Ubatuba

segunda-feira, 4 de julho de 2016

RJ - Paraty Dez/15

O início 01/12 

Acordamos cedo para carregar o carro, 08h mantimentos, isopor, barracas, cobertor, travesseiros e mochilas, cadeiras e lonas, todos os apetrechos e afins... 
Começa nossa viagem as 11h30 finalmente conseguimos sair de casa. 
saindo
Dia nublado, porém quente. Trafego normal para uma terça-feira. Seguimos pela Jacu-Pessego, Airton Senna(sentido Rio de Janeiro) Rodovia dos Tamoios (80km/h, (conservada e em obras) faltando uns 20km para chegar em Caraguatatuba, um acidente com caminhão tombado na curva, ficamos paradas na pista uns 40 minutos, aguardando o socorro do motorista. Logo veio a Policia Rodoviária Federal, Regaste, Ambulâncias e com auxilio da PRF continuamos a descida. 
 Passamos por Caragua com céu Azul, quando estávamos passando por Ubatuba (Ubachuva) começou a chover, estrada sinuosa, pista simples e neblina. 
UBACHUVA
A ideia era descer para Trindade, mas pelas condições do tempo seguimos para Paraty. Chegamos por volta das 17h. Logo na entrada da cidade fica o C.I.T. junto ao pórtico, fizemos o primeiro contato com o Sr Eraldo Viana, guia turístico, extremamente cortês, educado, interessado em nos informar sobre pousadas, localização e melhores preços. Nos indicou a pousada Paradiso, bem localizada com estacionamento, piscina, WI-FI, café da manhã , diária R$ 100,00/casal durante a semana e no fim de semana R$ 150,00. Visitamos a pousada e decidimos ir à praia de Jabaquara, onde a Kelly tinha visto pousada no Hotel Urbano. Durante o percurso acessando o Hotel Urbano uma promoção na Pousada Mar Azul. 
 
Pousada Mar Azul
Seguimos por estradinhas sinuosas e cheias de placas indicativas. Passamos por uma ponte de mão única, atualmente interditada para ônibus e caminhões.

Chegamos na praia Jabaquara, tarde de garoa, mar cinzento, passamos por toda a extensão da rua que margeia a Praia, vimos quiosques, restaurantes, aluguel de pranchas entramos na última rua, paramos num mini-mercado para nos informar da localização da Pousada uma senhora nos indicou a direção e falou "VAI GARRAR". Poucas ruas asfaltadas e com chuva, não faltou atoleiros. 
Lembrando que a senhora disse "vai, garrar, ufa! não garro!"
Pousada Mar Azul
Encontramos a Pousada, num fim de rua asfaltada, onde começava o atoleiro na quadra seguinte. Uma construção Azul, cheias de quartos, piscina, Wi-fi, café da manhã e estacionamento. Fizemos contato com a sra Val, proprietária, que nos mostrou as instalações: Quarto com TV, cama de casal, Frigobar, ventilador de teto, ar condicionado(opcional pago a parte), banheiro privativo. Diária R$ 80,00 com café da manhã, servido das 8h as 10h. 
Resolvemos ficar esta noite a sra Val nos colocou no quarto nº 30, na parte superior da pousada. A pousada estava vazia, apenas nós e mais dois casais. Subimos nossas coisas para o quarto, ligamos a tv, lanchamos pão de forma com salsicha em lata, e aproveitando a internet a Kelly baixo DIVERTIDAMENTE, não tinha nada de bom na TV, resolvemos assistir ao filme, ainda garoava forte. Já era 22h e resolvemos assistir masterchef, dormimos, ou melhor tentamos, por volta das 2h fomos atacadas por uma nuvem de pernilongos, levantamos e tentamos matar todos, não deu muito certo colocamos o veneno na tomada e  voltamos a  dormir.